Na Audiência Geral, o Papa Francisco foi interrompido por criança com autismo levando-o a questionar-se sobre a liberdade diante de Deus. Veja o vídeo.

Partilhamos excerto da notícia da Agência Ecclesia disponível aqui.

«(…) O Papa refletia sobre a importância de “uma existência livre, grata, autêntica”, marcada pela “alegria de sermos amados e de amar”, quando uma criança, um rapaz, subiu ao palanque da Sala Paulo VI e começou a brincar e a saltar à sua frente.

Totalmente despreocupado com o que estava a acontecer, ele correu para junto de um dos guardas-suíços e apertou-lhe a mão, perante o sorriso de Francisco, dos bispos presentes e de todos os peregrinos.

Nisto a mãe subiu também ao palanque para tentar trazer o filho para baixo e trocou algumas palavras com o Papa, explicando que “vinham da Argentina” e que se tratava de “uma criança autista, que não consegue falar”.

“Deixem o rapaz brincar. Ele é argentino, é indisciplinado”, brincou Francisco, que esboçou mais um sorriso quando a irmã do menino se juntou a ele no palco, perante a agitação dos seguranças, preocupados com o protocolo.

“Queridos irmãos, este menino não consegue falar, é mudo, mas sabe comunicar, sabe expressar-se e tem uma coisa que me deixou a pensar, ele é livre. É indisciplinadamente livre”, apontou de forma bem humorada Francisco, que deixou uma interpelação a todos os peregrinos.

“Mas é livre. E fez-me pensar…  Será que eu também sou assim, livre, diante de Deus?  Quando Jesus diz que temos de ser mais como as crianças, ele quer dizer que temos de ter a liberdade que tem uma criança, diante do seu pai. E creio que esta criança hoje fez-nos a todos uma pregação. Peçamos todos a Deus que este rapaz obtenha a graça de poder falar”, exortou. (…) (JCP) »